Dor em membros

Popularmente conhecida como “dor do crescimento”, é uma queixa frequente no consultório de ortopedia pediátrica. Não é considerada uma doença, pois não traz danos as estruturas musculares, ligamentares ou ósseas e não cursa com processos inflamatórios e/ou infecciosos. É uma condição benigna e 90% dos casos sem causa definida, apenas 3 a 4% dos casos apresentam doença orgânica.
O quadro de dor aparece em crianças pré-escolares e primeiros anos escolares, na faixa etária de 3 a 10 anos sendo mais frequente em meninos. Geralmente, as crianças menores não sabem identificar o local exato da dor, porém indicam as pernas como fonte dolorosa.
A duração desse quadro álgico tende a ser em média de dois anos. As características da dor são de ocorrência noturna, frequência variável e que melhoram com compressas mornas, massagem manual e/ou analgésico comum.

Etiologia (Causa):

A causa da dor é desconhecida, ocorre geralmente em crianças mais ativas ou nas que tenham dias mais agitados (atividades físicas intensas). Pequenas deformidades ortopédicas como pés planos (chatos), fadiga e distúrbios emocionais, podem estar relacionadas, porém não são causas primárias da dor. Crianças com maior flexibilidade (frouxidão ligamentar), que conseguem, por exemplo, colocar as mãos no chão sem dobrar os joelhos ou outras manobras que caracterizam as crianças como “hipermóveis”, tendem a ter mais dores nas pernas, porém essa relação não tem efeito direto na dor em membros.

Sintomas:
  • Dor nos membros no final do dia ou durante a noite de característica intermitente e autolimitada (dura de 30 minutos a 2 horas)- não ocorre todos os dias
  • A dor pode acordar a criança de madrugada (acorda chorando e gritando)
  • Localização: perna e coxas (eventualmente panturrilhas)
  • Bilateral (ocorre nas duas pernas)
  • Atividades normais durante o dia
  • Exame físico normal (ausência de inchaços, vermelhidão ou dificuldade de movimentar)
Diagnóstico:

O diagnóstico é clínico. Existem critérios de inclusão e exclusão que norteiam o diagnóstico. Se necessários exames subsidiários (laboratoriais e de imagem) podem ser solicitados.

Diagnósticos diferenciais:
  • Doenças reumatológicas
  • Leucemia
  • Tumores ósseos
Sinais de alerta:
  • Febre
  • Emagrecimento
  • Rigidez articular
  • Dor pela manhã
  • Emagrecimento
Tratamento

O tratamento, após avaliação ortopédica, para o correto diagnóstico é conservador.

  • Massagem manual
  • Compressas mornas
  • Analgésicos
  • Alongamentos
  • Tranquilizar a criança
Orientações gerais:

Para que o tratamento tenha sucesso é imprescindível que os pais prestem apoio psicológico e afetivo com um bom suporte emocional. Para isto, devem estar convencidos da benignidade do problema, para passar tranquilidade à criança. Pode ser dito a ela que é uma dor passageira devido às atividades durante o dia. Devem ser estimuladas atividades físicas podendo ser evitado os esportes de impacto neste período.
É importante procurar um ortopedista pediátrico para o correto diagnóstico da dor em membros e, excluir doenças graves como por exemplo leucemia ou tumores ósseos.